Resumo de I Am Malala
| | |

I Am Malala Summary Review | Malala Yousafzai e Christina Lamb

A Menina que se destacou pela educação e foi baleada pelo Talibã

A vida se agita. Tem Eu sou Malala esteve em sua lista de leitura? Aprenda agora as principais percepções.

Estamos arranhando a superfície aqui. Se você ainda não tem o popular livro de Malala Yousafzai, encomende-o aqui ou obter o audiolivro para grátis na Amazônia para aprender os detalhes suculentos.

Introdução 

Este livro é um livro autobiográfico do mais jovem ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Malala Yousafzai. Co-escrito com Christina Lamb, uma jornalista britânica, o livro foi publicado em 2013. O livro enfoca o início da vida de Malala, incluindo a propriedade das escolas de seu pai e seu ativismo. Em seguida, aprofunda os acontecimentos que levaram à tentativa de assassinato de Malala pelas mãos do Talibã, quando ela tinha apenas 15 anos de idade. 

Como livro, esta autobiografia ganhou o prêmio Goodreads 2013 de Melhor Memória e Autobiografia, e foi finalista no Prêmio do Livro Político de Melhor Livro Político do Ano. Finalmente, a versão em audiolivro ganhou um Grammy em 2015 para o Melhor Álbum Infantil. Um livro altamente influente, inspirador e impactante, este resumo do livro fornecerá um resumo conciso das 5 partes do livro de Malala, Eu sou Malala: A história da garota que defendeu a educação e foi baleada pelo Talibã.

Sobre Malala Yousafzai

Malala Yousafzai é uma ativista paquistanesa de 22 anos de idade para a educação feminina, que se tornou a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel. Ela recebeu o prêmio em 2014. Na área em que ela cresceu, o Talibã local freqüentemente proibia as meninas de freqüentar a escola; Malala e seu pai eram defensores e iniciaram um movimento internacional para a educação de meninas. Isto levou o ex-primeiro-ministro paquistanês Shahid Khaqan Abbasi a descrevê-la como "a cidadã mais proeminente" de seu país. 

StoryShot #1: A Criação de Malala no Paquistão

Os primeiros anos

Malala nasceu de uma família Pashtun no Vale de Swat, no noroeste do Paquistão. Desde o início, o pai de Malala era diferente dos outros pais. No Paquistão, o nascimento de uma menina não costuma ser celebrado; no entanto, o pai de Malala ficou encantado e deu-lhe o nome de uma heroína Pashtun: Malalai de Maiwand. Isto acabaria sendo um nome apropriado, pois Malalai de Maiwand morreu em batalha após usar suas palavras e bravura para inspirar seu povo a lutar contra o exército britânico. Malalai não acabaria sacrificando sua vida, mas suas palavras mudaram a vida de milhares de meninas e mulheres. 

Malala fala muito bem de seu tempo de crescimento em Swat, em algum lugar que ela ainda vê como o lugar mais bonito do mundo. Swat está cheia de belas montanhas e ruínas antigas, incluindo as ruínas de Butkara, que são remanescentes de quando os budistas entraram na área pela primeira vez. Ao crescer, Malala e sua família tinham muito pouco dinheiro. A família tinha que viver das pequenas quantias de dinheiro que o pai de Malala fazia de uma escola que ele havia iniciado na área local. Malala também usa esta parte inicial do livro para apresentar aos leitores sua história. Primeiro, ela descreve como ela tem dois irmãos mais novos: Kushal e Atal. Em seguida, ela explica sua ascendência. Sua família se mudou para o Paquistão no passado, o que significa que ela se identifica principalmente como Swati, depois Pashtun, e depois paquistanesa. 

O pai de Malala

O segundo capítulo da autobiografia de Malala baseia-se unicamente no pai e no impacto que ela teve em sua vida. Ao contrário do avô de Malala, o pai de Malala não foi um grande orador. Ele tinha um claro impedimento na fala que o levou a gaguejar sobre suas palavras. Por causa disso, o pai de Malala tentava constantemente agradar seu pai. Apesar disso, Malala afirma que nunca acreditou ter correspondido às expectativas de seu avô, até que um dia o pai de Malala decidiu participar de um concurso de oradores; o avô de Malala escreveu um discurso e o pai de Malala fez um discurso cativante. Ele acabou ganhando o primeiro lugar. Ver esta determinação instilou em si mesma uma determinação semelhante. 

Nesta autobiografia, Malala também faz uma breve descrição de sua mãe, Tor Pekai. Sua mãe foi colocada na escola quando era jovem, mas vendia seus livros por doces, pois tinha ciúmes de suas amigas que não iam à escola e simplesmente ficavam em casa. A mãe de Malala mudou sua opinião sobre isso ao conhecer o pai de Malala, que era um homem muito educado que queria começar sua própria escola. Ao nascer Malala, a escola que o pai de Malala havia iniciado teve uma mudança de sorte. Lentamente a Escola Kushal começou a crescer com a entrada de mais alunos. Este ambiente foi extremamente importante durante a criação de Malala, pois ela estava livre para explorar a escola e suas ferramentas educacionais desde tenra idade. 

Esta liberdade de aprender é algo que ela percebeu ser raro ao viajar para visitar a pequena aldeia de Barkana da família de seu pai para as férias do Eid. Seus primos acreditavam que Malala era moderna, pois ela vinha da cidade e era altamente educada. Na região, seus primos eram de Pashtunwali, o que significava que as mulheres de lá eram ainda mais restritas do que as da área local de Malala. Desde jovem, Malala não gostava destas restrições impostas às mulheres e freqüentemente se queixava delas a seu pai. Seu pai muitas vezes explicava como a vida era ainda pior para as mulheres no Afeganistão, de onde são os ancestrais de Malala, por causa de um grupo chamado Talibã. O pai de Malala sempre se assegurava de que ela sabia, entretanto, que ela era tão livre quanto um pássaro. Ele sempre se esforçava para proteger suas liberdades. 

StoryShot #2: A excelência acadêmica de Malala e o crescimento contínuo da escola

Malala foi frequentemente a melhor de sua classe na escola e teve uma competição amigável com sua melhor amiga, Moniba, por este lugar. Durante este tempo, ela também aprendeu algumas lições de vida importantes. Especificamente, uma vizinha de sua idade, Safina, roubou o brinquedo favorito de Malala. A fim de se vingar, Malala então passou a roubar lentamente muitas coisas da Safina. Ao ser pega, Malala se sentiu terrível por ter decepcionado seus pais. Neste ponto, Malala jurou nunca mais mentir ou roubar. Na verdade, logo depois (num esforço para deixar seus pais orgulhosos) Malala entrou num concurso de oratória pública sobre o tema "Honestamente se a melhor política". Malala terminou em segundo lugar e também viu isto como uma oportunidade para aprender a perder graciosamente. 

A escola do pai de Malala continuou a atrair mais alunos e, por causa disso, Malala e sua família puderam se mudar para uma casa mais agradável. Alguns de seus primos, de quem ela falou antes, moravam na casa com eles. Além disso, o pai de Malala fez questão de dar espaços na escola para que as crianças de origem pobre pudessem aprender. Mas a escola estava sendo atacada às vezes. Por exemplo, Malala lembra ocasiões em que um Mufti (Estudioso Islâmico) tentou fechar a escola, pois ele acreditava que as mulheres sendo educadas eram blasfemas. Ele acabou sendo mal sucedido, mas este foi outro indicador para Malala de como há muitas pessoas que acreditam que as mulheres não deveriam ter o direito à educação. 

StoryShot #3: A introdução do Talibã na vida de Malala

Depois de múltiplas dinâmicas políticas, explicadas em detalhes por Malala, aconteceu que o Talibã chegou ao Vale Swat, liderado por Maulana Fazlullah. Isto ocorreu quando Malala tinha apenas 10 anos de idade. Muitas pessoas na área local apoiaram este líder, pois ele parecia carismático, mas o pai de Malala não o fez. Fazlullah pediu a retirada de todos os CDs, DVDs e televisores de casa; Malala e sua família mantiveram o deles em segredo. 

Além disso, Fazlullah disse diretamente às mulheres que elas deveriam ficar em casa em vez de irem à escola; Malala sabia que isto não era o que o Alcorão dizia. Apesar das sugestões de Fazlullah não serem apoiadas pelo Alcorão, alguns dos professores de Malala se recusaram a ensinar as meninas. Pior ainda, sempre que as mulheres saíam de casa para irem ao mercado, elas eram interrogadas pelo Talibã e mandadas para casa. Esta interpelação continuaria até que as mulheres concordassem em ir para casa. Múltiplas regras bárbaras foram postas em prática pelo Fazlullah, incluindo chicotadas públicas para pequenos crimes; o pai de Malala acabou se tornando uma das maiores figuras públicas a se manifestar contra este regime. 

Este foi um momento particularmente difícil para Malala. As coisas que ela sempre amou no Vale Swat estavam sendo erradicadas. A música foi banida. Sua história estava sendo destruída. E as belas estátuas budistas eram explodidas, pois eram vistas como pecaminosas. Olhando para o quadro político mais amplo, o Talibã também tomou a capital, Islamabad, e o governo paquistanês. Numa tentativa de instaurar um político suficientemente popular para lutar contra o Talibã, a primeira-ministra Benazir Bhutto voltou do exílio para compartilhar o poder com Musharraf. Bhutto foi um modelo para Malala. O Talibã tentou matar Bhutto quando ela estava voltando, bombardeando o ônibus em que ela estava; ela não foi morta, mas outras 150 pessoas foram. Entretanto, o Talibã a matou mais tarde; ela estava fazendo um discurso e um suicida explodiu e a matou a tiro. Este foi um momento importante para Malala, pois mostrou a ela e a muitos outros que ninguém estava seguro sob o domínio do Talibã. 

A escola como luz guia em meio à escuridão

Apesar do horrível regime talibã, Malala continuou avançando com sua educação. Ela se formou no ensino médio. Ela continuou a manter sua posição no topo de sua classe, mas o ambiente havia mudado à medida que algumas meninas desistiam porque se sentiam ameaçadas pelo Talibã. Isto se deu por causa dos bombardeios, orquestrados pelo Talibã, das escolas femininas. 

Durante esse tempo, o pai de Malala lhe disse constantemente que seria necessária coragem para se livrar do Talibã. O pai de Malala, nesta época, foi escolhido como porta-voz de uma assembléia destinada a desafiar o Fazlullah. Malala participava freqüentemente dessas reuniões e outros ativistas a viam como uma filha para eles. Na verdade, Malala até começou a dar entrevistas. Os bombardeios se tornaram mais freqüentes e mais devastadores. Portanto, a escola de Malala acolheu algumas das meninas que haviam sido vítimas de atentados a bomba na escola. Em 2008, o Talibã anunciou que todas as escolas de meninas fechariam. Isto não deteria Malala, que estava determinada. 

O pai de Malala continuou a se manifestar contra o Talibã e Malala começou a escrever como Gul Makai

Os Talibãs começaram a despejar corpos daqueles que haviam matado na praça à noite. Isto deveria servir como um aviso para os outros. Estas ações, juntamente com algumas das outras mortes devastadoras, reduziram o apoio das pessoas ao Fazlullah. Muitas pessoas deixaram de acreditar no Fazlullah, mas foi o pai de Malala quem falou, com força, contra ele. Isto colocou o pai de Malala em perigo. 

Um dia, o pai de Malala recebeu uma ligação do respondente da BBC, Abdul Hai Kakar, pedindo uma professora ou estudante que ele poderia pedir para manter um diário público sobre a vida sob o regime do Talibã. Malala concordou em fazer isso. Ela narrou à BBC o que havia acontecido com ela naquele dia todas as noites. Malala escreveu sob o pseudônimo de Gul Makai, pois teria sido muito perigoso usar seu próprio nome. Seus escritos eram uma mistura dos terrores do Talibã e de sua vida escolar e familiar regular. Por causa de sua excelência acadêmica, seus colegas de escola adivinharam que ela era provavelmente a autora. Durante todo esse tempo, o prazo para o fechamento das escolas femininas estava se aproximando. Eventualmente, o Talibã decidiu permitir a educação das meninas até o ano 4, e apesar de Malala estar no ano 5, ela fingiu que era mais jovem do que realmente era. 

Além disso, um jornalista paquistanês, Irfan Ashraf, recebeu permissão do pai de Malala para filmar um documentário americano sobre a escola. Esta publicidade era perigosa, no entanto. Nesta época, os amigos e a família de Malala temiam pela segurança dela e de seu pai. Apesar disso, muitos estavam confiantes de que o Talibã não mataria Malala, pois ela era apenas uma criança. De qualquer forma, Malala e sua família acabariam deixando a Swat, já que o exército estava procurando expulsar o Talibã. Portanto, foi pedido aos civis que saíssem. Este era um momento muito difícil para Malala: ela não tinha certeza de que voltaria a ver sua casa. Durante este tempo, Malala e seu pai continuaram a dar entrevistas sobre a situação. 

Classificação

Classificamos este livro em 4,1/5.

Como você classificaria isso?

Clique para avaliar este livro!
[Total: 20 Média: 4.1]

PDF, Audiolivro gratuito, Infográfico e Livro Animado Resumo

Esta foi a ponta do iceberg. Para mergulhar nos detalhes e apoiar Malala Yousafzai, encomende-o aqui ou obter o audiolivro para grátis.

Você gostou do que aprendeu aqui? Compartilhe para mostrar que você se importa e nos avise entrando em contato com nosso suporte.

Novo em StoryShots? Obtenha o PDF, o audiolivro e as versões animadas deste resumo de Eu sou Malala e centenas de outros livros de não-ficção mais vendidos em nosso aplicativo gratuito de alto escalão. Tem sido apresentado pela Apple, The Guardian, The UN, e Google como um dos melhores aplicativos de leitura e aprendizagem do mundo.

Resumos de livros relacionados

Publicações semelhantes

Deixe um comentário

Automaticamente adiciona YASR em seus posts ou páginas. %s Desative isto se você preferir usar atalhos. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.