Resumo de A Arte da Felicidade
| |

A Arte da Felicidade Resumo e Revisão | The Dalai Lama

Um manual para viver

A vida se agita. Tem A Arte da Felicidade tem recolhido poeira em sua estante? Em vez disso, aprenda agora algumas das idéias-chave.

Estamos arranhando a superfície aqui. Se você ainda não tem o livro, encomende o livro ou obter o audiolivro de graça na Amazônia para aprender os detalhes suculentos.

Isenção de responsabilidade: Este é um resumo e análise não-oficial.

A Perspectiva do Dalai Lama

O Dalai Lama é a 14ª reencarnação do Dalai Lama. Ele se descreve como um monge budista e é atualmente o líder espiritual do Tibete. Ele foi anteriormente nomeado Lhamo Dhondup e nasceu de uma família de agricultores em uma pequena área no nordeste do Tibete. 

Introdução

A Arte da Felicidade é um guia das tradições espirituais orientais para um público ocidental. Este livro cobre todas as facetas da experiência humana, incluindo como resolver os problemas cotidianos para que você possa viver uma vida feliz. Além disso, como você pode permanecer em paz durante tempos altamente estressantes e desafiadores. A Arte da Felicidade é uma colaboração com um psiquiatra, Dr. Howard C. Cutler. Ela utiliza os princípios budistas tibetanos para ajudar indivíduos ocidentais ocupados a obter maior equilíbrio e liberdade espiritual em suas vidas.

O Objetivo de sua vida é buscar a felicidade

"Portanto, reflitamos sobre o que realmente tem valor na vida, o que dá sentido a nossas vidas, e estabeleçamos nossas prioridades com base nisso. O propósito de nossa vida precisa ser positivo. Não nascemos com o propósito de causar problemas, de prejudicar os outros. Para que nossa vida tenha valor, acho que devemos desenvolver qualidades humanas básicas - calor, gentileza, compaixão. Então nossa vida se torna mais significativa e mais pacífica".

- O Dalai Lama

O Dalai Lama explica que todos nós temos o mesmo propósito na vida. Seu propósito é buscar a felicidade, independentemente de sua origem religiosa, cultural ou social. Há diferenças, porém, nas crenças das culturas individuais de que a felicidade é alcançável. No Ocidente, há uma crença geral de que a felicidade não pode ser desenvolvida e sustentada pelo treinamento da mente. O budismo desafia esta visão e sugere que a felicidade é um objetivo alcançável.

O sucesso não lhe trará felicidade sustentável, nem o fracasso lhe trará depressão sustentada. Mais cedo ou mais tarde, todos nós voltamos à nossa felicidade de base. O Dalai Lama explica que os psicólogos chamam este efeito de adaptação hedônica. Não importa o que está acontecendo em seus eventos externos, pois você eventualmente retornará à sua linha de base. Portanto, o benefício do budismo é que ele lhe mostra como estabelecer esta linha de base para um nível mais elevado de felicidade.

Não Coloque Alegria no Sofrimento dos Outros

Pode ser fácil cair na armadilha de querer o pior para nossos inimigos. Entretanto, a infelicidade de seus inimigos não o ajudará a sustentar a felicidade a longo prazo. Os budistas passam uma parte considerável de seu tempo prestando atenção a indivíduos dos quais não gostam necessariamente. Eles passam esse tempo lutando contra esses sentimentos, pois o ódio é um obstáculo à felicidade. Portanto, o Dalai Lama recomenda a prática de paciência e tolerância quando você encontra indivíduos que não gosta. Além disso, você deve ser grato pelos momentos que tem com os inimigos. Estes momentos são quando você pode praticar efetivamente a paciência.

A Compaixão Universal Cultiva a Felicidade

"Se você quer que os outros sejam felizes, pratique a compaixão. Se você quer ser feliz, pratique a compaixão".

- Dalai Lama

A compaixão é uma característica comum neste livro e nos ensinamentos mais amplos do Dalai Lama. A compaixão é um fundamento dos princípios budistas, e o Dalai Lama acredita que temos que ser universalmente compassivos para sermos verdadeiramente felizes. 

O Dalai Lama define compaixão como um estado de espírito que não é agressivo. Ele se baseia no desejo de ver todas as outras pessoas livres do sofrimento. Este sentimento não deve ser apegado ao que você sente sobre indivíduos ou circunstâncias particulares. Em vez disso, compaixão universal significa compaixão por todas as criaturas vivas em todas as situações. 

A importância da compaixão é que um indivíduo sendo compassivo leva a mais compaixão nos outros. Viver uma vida livre de raiva e ressentimentos é automaticamente uma vida mais feliz. Seus pensamentos serão mais positivos. 

O Dalai Lama sugere aproveitar sua empatia com os outros, tentando entender melhor os antecedentes dos outros. Uma vez que você tenha dominado isto, você pode identificar e se concentrar nas coisas que tem em comum. Por exemplo, se um garçom falhar um dos itens de seu pedido, você pode tentar entender por que isto pode ser o caso. O garçom, como você, pode estar trabalhando para fornecer dinheiro para sua família. Entretanto, o estresse e a exaustão do trabalho duro podem ter momentaneamente interferido e os pressionado a cometer um erro.

Devemos fazer conexões que não sejam o amor ocidental

"Acho que se se procura construir uma relação verdadeiramente satisfatória, a melhor maneira de fazer isso é conhecer a natureza mais profunda da pessoa e relacionar-se com ela ou com ele nesse nível, em vez de apenas com base em características superficiais".

- Dalai Lama

O Dalai Lama acredita que as relações íntimas são essenciais para nosso bem estar físico e mental. Entretanto, isto não significa que a visão ocidental das relações seja ideal. O Dalai Lama vê a ênfase excessiva do Ocidente nas relações românticas como problemática. Esta abordagem faz com que aqueles que lutam para encontrar um parceiro romântico ou não desejam ter um parceiro problemático se sintam marginalizados. Além disso, as relações românticas muitas vezes não duram porque têm os princípios errados. Elas são construídas a partir de idéias sociais de relacionamentos em vez de respeito e apreciação pela outra pessoa. 

O Dalai Lama afirma ter múltiplas relações íntimas com pessoas próximas a ele, incluindo tutores e cozinheiros. Ele tenta se conectar com o maior número possível de pessoas, em vez de ver as relações românticas como o relacionamento final. Ele acredita que sua vida se tornou muito mais realizada ao se conectar a um nível profundo com uma ampla gama de pessoas.

 

A religião não é necessária para a espiritualidade

"Portanto, reflitamos sobre o que realmente tem valor na vida, o que dá sentido a nossas vidas, e estabeleçamos nossas prioridades com base nisso. O propósito de nossa vida precisa ser positivo. Não nascemos com o propósito de causar problemas, de prejudicar os outros. Para que nossa vida tenha valor, acho que devemos desenvolver qualidades humanas básicas - calor, gentileza, compaixão. Então nossa vida se torna mais significativa e mais pacífica".

- Dalai Lama

Espiritualidade Não é uma Religião

Uma das crenças mais importantes do Dalai Lama é que a espiritualidade é parte integrante de se viver uma vida feliz. Entretanto, o Dalai Lama não afirma que a espiritualidade deve vir de nenhuma religião em particular. Ele afirma que a espiritualidade não tem que ser associada à religião em absoluto. 

O Dalai Lama rotula esta espiritualidade não-religiosa como espiritualidade básica. A espiritualidade básica inclui qualidades humanas como bondade e compaixão. Estas qualidades são valiosas para todos os humanos e ajudarão todas as sociedades a viverem vidas mais felizes e pacíficas. 

Espiritualidade básica

O Dalai Lama gasta quatro horas por dia meditando. Entretanto, a espiritualidade básica não está ligada a rituais religiosos. Em vez disso, a espiritualidade básica pode ser praticada diariamente e em todos os momentos. Podemos mostrar compaixão em todas as ações pensando nos melhores interesses dos outros. Por exemplo, considere um cenário em que outro condutor o tenha cortado. Sem a compaixão universal, você pode reagir com raiva e ódio. Esta resposta só fará você se sentir menos feliz e pacífico, além de ter um impacto negativo sobre o outro motorista. Em vez disso, tente adotar a espiritualidade básica, mantendo a calma e aceitando que a pessoa pode ter cometido um erro e não ter visto você. Tente pensar nos momentos em que você cometeu erros de direção e considere como você gostaria que os outros motoristas tivessem reagido. Adotar esta abordagem ajudará você a obter os benefícios da espiritualidade, mas sem religião.

O sofrimento é natural, mas nós o amplificamos

O sofrimento faz parte da vida. É natural e algo que você nem sempre pode evitar. Curiosamente, as culturas orientais são mais receptivas ao sofrimento do que as ocidentais. Os ocidentais tendem a se perceber como vítimas quando sofrem. Em contraste, os orientais aceitam que o sofrimento fará parte da vida enquanto eles estiverem vivos. 

A tentativa de evitar o sofrimento é apenas uma solução temporária. Todos nós eventualmente sofreremos, mesmo que tomemos todas as medidas apropriadas para evitar o sofrimento. O mais importante é nossa atitude mental quando nos deparamos com sofrimento. Em vez de temer o sofrimento e vê-lo como injusto, é melhor aceitá-lo apenas. 

Além de não aceitarmos o sofrimento, temos a tendência de ampliar o grau de sofrimento que experimentamos. Por exemplo, os ocidentais tendem a dar demasiada importância aos bens. Ao invés disso, devemos aceitar que a mudança é constante e resistir à mudança só levará ao sofrimento quando ela ocorrer. Da mesma forma, os ocidentais tendem a se agarrar a eventos negativos. Pensar demais em eventos adversos anteriores só vai ressurgir o sofrimento que você teve da primeira vez. 

Portanto, o Dalai Lama sugere que devemos aceitar que tanto o sofrimento quanto a mudança são naturais. Quanto menos nos preocupamos quando ambos chegam, menos severo é o sofrimento. Além disso, vamos encontrar menos angústia, pois não vamos parar de sofrer/mudar.

Atitudes, sentimentos e hábitos positivos podem ser incentivados por um esforço sustentado

O Dalai Lama acredita que nossos estados de espírito impactam nosso estado emocional. Por exemplo, a raiva e o medo nos impedem de ser verdadeiramente felizes. Por outro lado, amor, compaixão, paciência e generosidade podem ser antídotos para esses estados de espírito negativos. Estes são os estados de ânimo positivos que precisamos para sermos verdadeiramente felizes. 

Este processo de substituição de estados de espírito negativos por positivos levará tempo. O Dalai Lama até admite que ele levou 40 anos para aprender a praticar e apreciar os princípios budistas. Aprender os princípios budistas é um processo gradual de incutir bons hábitos. Através de um esforço sustentado de engajamento com estados de espírito positivos, uma mudança genuína ocorrerá.

Tente encontrar o bem em cada situação

A maioria das situações terá positivos e negativos. Geralmente, temos a tendência de nos concentrar nos negativos. Usar tempos difíceis como oportunidades positivas para praticar virtudes como a paciência e a compaixão. Esta é outra maneira de lidar com o sofrimento inevitável que experimentaremos. Estes tempos de sofrimento podem se tornar positivos quando os consideramos como oportunidades para praticar nossa espiritualidade básica. 

O Dalai Lama descreve aqueles que podem ver o positivo em situações tradicionalmente negativas como tendo uma mente flexível. Qualquer pessoa pode desenvolver esta mente flexível, visando consistentemente identificar os positivos em situações desagradáveis. 

O Dalai Lama recomenda que os leitores comecem a praticar o bem em eventos adversos o mais rápido possível. Não será possível imediatamente, mas com o tempo qualquer pessoa poderá aprender a ter essa mentalidade. 

Substituir a raiva e o ódio pela paciência e tolerância

O Dalai Lama afirma que a raiva e o ódio são os obstáculos mais significativos para a felicidade dos seres humanos. Ambas as emoções destroem nossa paz de espírito. Além disso, elas interferem enormemente em nossas decisões. As más decisões que se seguem só nos deixam mais zangados e odiosos. 

Não podemos superar estas emoções reprimindo-as. No entanto, expressá-las também tem o potencial de aumentar essas emoções. Portanto, a resposta correta é adotar paciência e tolerância ao invés de raiva. Se você puder cultivar esta mentalidade através da meditação, então logo, a raiva não será a resposta natural. Além disso, tente aproveitar o contentamento interior. O contentamento interior deve reduzir o estresse que você experimenta, o que minimizará seus sentimentos de raiva. 

Dar a si mesmo um tempo longe da situação para pensar logicamente o ajudará a substituir esses sentimentos negativos com paciência e tolerância.

Combata suas ansiedades analisando seus pensamentos e motivações

"Quanto mais honesto você for, mais aberto, menos medo você terá, porque não há ansiedade em ser exposto ou revelado aos outros".

- Dalai Lama

As ansiedades e preocupações são respostas naturais. No entanto, ter continuamente estas respostas não é saudável. O Dalai Lama recomenda que desafiemos os pensamentos associados a nossas ansiedades. Então, substitua esses pensamentos por pensamentos positivos. 

A Arte da Felicidade sugere que a ansiedade excessiva está quase sempre associada à baixa autoconfiança. Uma maneira de lidar com isso é ser honesto consigo mesmo e com os outros sobre suas capacidades e limitações. Suas ansiedades sobre falhar serão muito menos preocupantes se você estiver disposto a aceitar que tem limitações que podem levar a fracassos. 

Às vezes, a baixa auto-estima pode atingir o extremo do ódio a si mesmo. Uma pessoa pode se sentir completamente indigna e até mesmo contemplar o suicídio. O antídoto para um estado mental tão extremo é lembrar-se do maravilhoso intelecto e do potencial de desenvolvimento dentro de cada ser humano. Os tibetanos contemplam isso rotineiramente em suas meditações diárias, e talvez seja por isso que o ódio a si mesmo é um conceito praticamente desconhecido em sua sociedade.

Classificação

Classificamos este livro como 4.4/5.

Nossa pontuação

PDF, Audiolivro gratuito, Infográfico e Livro Animado Resumo da Arte da Felicidade

Comente abaixo e deixe os outros saberem o que você aprendeu ou se você tem outros pensamentos.

Novo em StoryShots? Obtenha as versões em áudio e animadas deste resumo e centenas de outros livros de não-ficção mais vendidos em nosso aplicativo gratuito de alto escalão. Tem sido apresentado pela Apple, The Guardian, The UN, e Google como um dos melhores aplicativos de leitura e aprendizagem do mundo.

Para mergulhar nos detalhes, peça o livro ou obter o audiolivro de graça.

A Autobiografia de Martin Luther King por Martin Luther King

Comunicação Não-Violenta por Marshall Rosenberg

Longa caminhada para a liberdade por Nelson Mandela

A Autobiografia de Malcolm X por Malcolm X

Eu sou Malala por Malala Yousafzai

Como ser um anti-racista por Ibram X. Kendi

Nascido um crime por Trevor Noah

A busca do homem pelo significado por Victor Frankl

O que eu sei Com certeza por Oprah Winfrey

Não pode me machucar por David Goggins

Tornando-se por Michelle Obama

Engenharia Interna por Sadhguru

Candor Radical por Kim Scott

Resumo de A Arte da Felicidade
  • Salvar

Publicações semelhantes

Deixe um comentário

Automaticamente adiciona YASR em seus posts ou páginas. %s Desative isto se você preferir usar atalhos. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.